segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

CUSCO A ÁGUAS CALIENTES

Olá Pessoal



Às 7:00 horas de 02/01/13 a van nos buscou no hotel. Depois de duas trocas de van, na região da Plaza de Armas, finalmente as 8:00 horas pegamos a estrada na direção de Ollantaytambo.  
De Cusco a van foi pela rodovia 3S até Cachimayo. Depois pela 28F até Urubamba, aí pegou a 28B até Ollantaytambo.
O trajeto passa por dentro da cidade e depois de um trecho de estrada de chão, retoma o asfalto na 28B.
A partir daí a viagem de van foi de sensacional, fantástico até provocar enjôo. 
Ao motorista faltou sensibilidade para fazer este trecho montanhoso numa velocidade mais baixa e assim permitir que os passageiros pudessem apreciar toda a beleza desta região, mas o trecho era longo e ele precisava cumprir o horário.

A viagem só não foi pior graças a um grupo de espirituosos brasileiros de Porto Velho, que nos agraciaram com suas piadas e brincadeiras durante todo o percurso.

Perto de Santa Maria, a rodovia desce pelo belo vale do Lucumayu. Em Santa Maria mudamos de rodovia e a estrada de chão 107 sobe acompanhando o Rio Urubamba.

Como a estrada sobe um vale profundo, encravada entre penhascos e desfiladeiros, algumas passagens provocaram angustia e suspiros nos passageiros. 
No verão esta estrada é muito perigosa face aos constantes deslizamentos, provocados pelas intensas chuvas. 

Fila de vans aguardando liberação da estrada
Antes de Santa Teresa, tivemos que aguardar a retirada de material de deslizamento da pista. Depois de liberada, a forte arrancada dada pelo motorista da van ao passar pelo local, arrancou suspiros e aplausos dos passageiros aliviados pela transposição deste obstáculo.

Almoçamos em Santa Teresa, onde dias depois desapareceu um jovem brasileiro, que perdeu-se nas montanhas próximas.

Almoço em Santa Teresa

As 16:00 horas chegamos na hidroelétrica.  Logo depois que registramos nossa entrada no parque da hidroelétrica, o guia nos levou até o início da trilha, que acompanha os trilhos da ferrovia, deu as instruções para a caminhada e em seguida sumiu.

Uma trilha demarcada de 5 km não é problema para ninguém. Começamos a caminhada as 16:30 horas. Sabíamos que a trilha terminava em Águas Calientes e o Jairo já conhecia a estrada que ligava Águas Calientes a Machu Picchu.

Neste trecho acabamos fazendo amizade com o jovem casal belga, Tom e Mieke.
Mas as horas passavam e nada de chegarmos. Anoiteceu e ainda não tínhamos chegado na conexão com a estrada de Machu Picchu.

Na trilha com os amigos belgas
  Ao chegarmos ali ficamos esperando os retardatários. Como estavam demorando, resolvemos prosseguir e o Reginaldo (que tinha lanterna) ficou aguardando a chegada das meninas de Porto Velho, Aline e Rafaela.

Na entrada de Águas Calientes o operador da agência nos aguardava.  Depois de aplacar as reclamações, ele foi distribuindo os tickets de hospedagem.
Também combinou jantar para às 20:30 horas, quando então seriam entregues os tickets para entrada no parque de Machu Picchu, da passagem de volta de trem e devolução dos documentos utilizados para compra dos tickets.

Encontrar a Pousada Machu Picchu Inn deu o maior cansaço. Quando lá chegamos não havia ninguém na recepção. Mais parecia um dormitório coletivo. O Jairo se apavorou e imediatamente tentou hospedagem em outros lugares, mas sem êxito, pois todos estavam lotados.

Naquela situação era encarar a pousada ou dormir na praça. 
Resolvemos voltar, pelo menos as camas eram decentes e os quartos tinham banheiro privativo. O problema é que alguns quartos estavam sem chave, só tinham tranca por dentro.

Mas os problemas não pararam por aí, nosso jantar foi gradativamente retardado até que sob muita pressão o guia nos conduziu as 22:00 horas para um restaurante próximo. 
Nossa pressa era para receber nossos tickets e principalmente os documentos de volta, pois já estava cheirando picaretagem.

No jantar aguardando entrega da documentação
Às 23:00 horas finalmente recebemos os tickets e os documentos. 
Então os guias deram suas recomendações para visita a Machu Picchu e marcaram a reunião do grupo na entrada do parque as 6:30 horas de 03/01/13. Os que fossem subir a pé pela trilha inca deveriam sair às 4:00 horas e os que subissem de ônibus deveriam sair antes das 6:00 horas de Águas Calientes.
 
Durante o jantar ficamos sabendo que a trilha que tínhamos percorrido tinha mais de 9 km, por isso demoramos 3 horas para fazer o percurso. 



Depois da nossa experiência e analisando as opções disponíveis, podemos afirmar categoricamente que hoje a melhor forma de se chegar a Machu Picchu é ir de trem até Águas Calientes, se hospedar lá e visitar Machu Picchu no dia seguinte. 

A alternativa que utilizamos no desespero é totalmente desaconselhável para as pessoas normais.  Pensando bem, se tivéssemos feito o trivial não teríamos histórias para contar, nem desfrutado das amizades que fizemos nesta aventura.

Neste trecho percorremos 225 km de van e 9 km a pé. Desde o início da expedição já percorremos 5.217 km em veículo próprio, 537 km em veículos de terceiros, 2 km de tuc-tuc, 1 hora de barco e 9 km a pé.

Imagens dos mapas com os trajetos percorridos neste trecho:

Cusco a Ollantaytambo

Ollantaytambo a Águas Calientes. a) azul: trecho de van b) rosa: trecho feito a pé
  Até mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário